sexta-feira, 25 de junho de 2010

FANTASIAS

Transar com a Flávia e ter alguém observando é uma das minhas fantasias preferidas. Principalmente se essa pessoa estiver se masturbando loucamente, apenas nos olhando.
Tenho muitas outras fantasias, mas essa já realizou em parte.
Meu pai tem o próprio negócio em casa, então ele e minha mãe estão sempre em casa, pois estão trabalhando também.
Nessa época tinha um cara que trabalhava pro meu pai, ele devia ter uns 24 ou 25 anos, sempre na dele, a gente só se cumprimentava e pronto. Ele era muito feio, meio esquisito, mas como isso não tem nada a ver pra minha fantasia, não significou nada.
Eu e a Flávia estávamos lá na casa dos meus pais tomando café. Já era de tarde quando meu pai veio me dizer pra ficar ali que ele tinha que sair pra fazer um serviço e eu devia cuidar da casa.
Meu pai saiu, e cinco minutos depois a gente já estava na cama dos meus pais se beijando. Não deitamos totalmente, ficando meio deitadas na beirada da cama, para o caso de alguém entrar e a gente disfarçar rapidinho.
Lá na casa do meu pai tem muito barulho de máquinas trabalhando, então a gente tinha que deduzir quando alguém entrava. E os caras que trabalham lá entravam com muita freqüência na casa do meu pai, pra pedir coisas, dar recados e etc.
Mas isso não me importava muito, pelo contrário, me excitava absurdamente, acho que a grande maioria das pessoas é assim, que gostam do perigo.
Me ajoelhei no chão e sentei a Flávia na beirada da cama, de pernas abertas bem na minha frente. Tirei a calça e a calcinha dela, tudo junto e muito rápido e comecei a chupá-la ajoelhada pra ela. Coloquei as mãos dela na minha cabeça, eu queria que ela conduzisse como eu deveria chupá-la, isso me excitava muito.
Eu estava chupando ela e tal, mas mesmo assim estava bem ligada no que acontecia lá fora e ao redor. Ouvi a porta da cozinha abrindo, sabia que não era meu pai, pois não tinha ouvido o carro dele chegar, então só podia ser uns dos rapazes que trabalhavam lá. Continuei chupando ela e fui deitando-a devagar pra que ela não percebesse também que alguém havia entrado se não ela jamais continuaria a brincadeira.
Ouvi um barulhinho de alguém se aproximando e disfarcei pedindo pra ela se “estava gostoso?”, ela respondeu “muito” e nisso ouvi passos e eles pararam na porta do quarto.

Um comentário:

JOSENI disse...

"Tudo nesta vida tem a sua
dose de sacrifício, de dedicação,
de amor e acima de tudo, esperança.
Saber agradecer a vida pelo que ela
nos proporciona é a maneira
mais inteligente
de aumentar a nossa auto-estima,
o nosso entusiasmo e nossa
força de vontade por
novos dias que virão...
esse é o único sacrifício
que vale a pena"
A.D.

PARABÉNS!!