terça-feira, 14 de dezembro de 2010

20000



Agradecendo pelas 20000 pessoas que passaram por aqui! ^^
E pedindo desculpas mais uma vez!
Fim de ano muito corrido para nós.
Ainda mais tendo que fazer mudança.
Ano que vem - finalmente! - vamos começar a construir nossa casinha! =D
Aguardem queridas leitores, em breve um post muito bacana sobre a compra de um vibrador e de um estimulador de clitóris... Delícia... hehehe
Beijão!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Oi genteeeee

Nossa, está cada vez mais difícil conseguir postar, né?
A Clara teve sua carga horária aumentada, professora é assim! hauauhahua
E eu também estou correndo com muito trabalhos pra fazer.
Pedimos compreensão.
Mas logo a Clara entrará de férias e terá tempo de escrever novamente, tá amores?
Hoje, entro somente para fazer uma reinvindicação!
Seguinte, não são raras as cenas de sexo entre heterossexuais nas novelas, certo?
Enquanto isso, se - eu disse SE - existem casais homossexuais eles apenas se abraçam. Nem se dão um selinho se quer...
A questão é que, a censura proibe!
O que???????
Me digam, pq????
Pq casais héteros podem transar em rede nacional e os casai homo nem se beijam no rosto?
Não estou pedindo para que eles transem! Não é isso que quero ver!
Aliás, não é correto mostrar sexo de héteros também.
Mas gente, os gays estão em todas as partes, nas novelas são poucos - mas existem. E os que existem nem beijam!
Ahhhh vááááááá!
Do mais, só tenho a dizer que atenderemos as pedidos a nós enviados, certo gente?
Beijãooooo
T+

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sextinha! ^^

Pronto gente, hoje estou mais aliviada!
Ahhh, já fizemos as pazes.
Mas, como quase nunca brigamos, fico apavorada! hauahuahuahuahuahuauah
De qualquer forma, a Clara merecia um pedido de desculpas mais elaborado, néahhh? =D
Fim de semana talvez iremos ao shopping - de novo - Adorooooo! hehehe
Tá na hora de sair pra fazer um programinha mais de casal, ver um filme no cinema, né?
Do mais, continuem nos enviando e-mails, adoramos!
Tenham um maravilhoso fim de semana!
E ahhh, obrigada pelos elogios pessoal. Vocês é que são lindas! =P
Um beijão
Até segunda!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Burrada...

Oi gente, q ódio d mim!
Eu, Flávia, fiz uma burrada hj com a Clara!
Não traí ela, nem nd.
Mas sou uma passivona convicta!
E tem dias q a Clara tbm sente vontad d dar!
Nossa, não consegui comer ela!
A gente já tinha transado e gozado! =P
Mas ela estava querendo mais.
E eu, tava podre!
Tá, tentamos.
Colokei a cinta, pois ela qria assim.
Eu adoro comê-la, mas hj não sei q q deu.
Nossa, daí ela surto cmg e eu acabei falando coisa q não devia.
Odeio qdo brigamos. Mas dessa vez foi feio.
Fomos trabalhar brigadas!
Então, venho em "público" pedir desculpas pra ela, é o mínimo q posso fazer.


CLARA: EU REALMENTE SINTO MUITO!


Gente, acredito q essa seja a primeira vez q escrevo sobre um surto nosso. Quase nunca brigamos, às vezes temos apenas opiniões diferentes, mas acabamos sempre chegando em um acordo.
Mas eu fikei nervosa por estar quase atrasada para o trabalho e não ter conseguido dar conta da minha gatinha...
Como ela ficou irritada com isso (e não é pra menos!) eu acabei perdendo o controle e falando o q não devia!
Merda! Acabei com o nosso dia!
Mais uma vez:


CLARA: ME DESCULPE! EU TE AMO E ESTOU ARREPENDIDA!


Gente, por hj vai ficar só nisso, tô sem ânimos pra escrever....
T+

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quase prontaaaa

Gente linda que adoramos!
A matéria está quase ficando pronta!
Agradecemos aos comentários e e-mails que nos foram enviados com sugestões sobre o tema.
Hoje, vou postar rapidinho o que fizemos na noite passada...:
Foi divertido sair para ver a decoração natalina recém terminada.
Fomos à casinha do Papai-Noel e, para nossa surpresa, o bom velhinho ainda estava lá! ^^
Entramos na casa, eu meio a contra gosto. =P
Então que parecia que eu, Flávia, havia sentido o que me aconteceria.
Não é que o Papai-Noel pega na minha mão e começa a falar comigo?
Tá, até aí tudo bem...
Até que chega o momento em que ele pergunta a minha idade.
Eu, que faço 23 anos em janeiro, falei:
- 23! (toda vermelha ahuahuahuahuaua)
Ele fez uma cara +/- assim:

o.O

E eu, ainda mais vermelha - auhauhauahuaha - perguntei:
- PQ?
Ele disse:
- Ahh, desculpa, pensei que tivesse uns 15!


Na hora, fechei a cara e saí surtando! QUINZE? Q-U-I-N-Z-E? 15 anos?
Gente, isso simplesmente não é possível. huahauhauhuahua
A Clara riu um tikinho, mas eu fiquei surtadora. ahuhuauhauhauha
Dexa kétu, né? ¬¬'
Só pra comentar com vcs como o pessoal daqui é meio forinha...
hauhauhauau

Um super hiper mega enoooorme beijãooooo pra todos (AS)!
E ahhh, respondam às duas enquetes para nos ajudar com a matéria sobre o bullying. Depois que essa matériazinha for publicada, colocaremos no ar a matéria sobre a saída do armário. Continuem nos mandando e-mails! Agradeçemos desde já!
T+

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Voltando com tudo

E apesar da demora, olááááá a todas as pessoas que lêem o blog.
Voltamos com força total agora!
Já estamos melhores e, mais uma vez, agradecemos pelo carinho e pela paciência de todos!
Quanto aos e-mails que mandaram para nós, já enviamos as respostas.
Agora, quanto aos comentários...:
- J, mande-nos um e-mail contando o que você está passando, não estamos arranjando tempo pra entrar no msn.
- Anônimas que descobriram o blog recentemente, sintam-se em casa, hein? ^^ bjikinhas
- Menina que mora em Lisboa, você com certeza não se torna gay pelo simples fato de sentir vontade de ficar com uma menina. Vá em frente garota, veja o que seu coração e seu corpo pedem! bjs
- Inara, obrigada pelo carinho! Esperamos que você e sua namorada continuem lendo, sempre! adoramos! bjão
- Leo (eita, um rapaz por aki, e nem foi grosso...) abraços. ahhh, curta bastante com sua mulher. agradeça por ela ter uma mente assim tão liberal! =D Essas coisinhas que vocês fazem devem ser mto gostosas, hein? divirtam-se!
- kazinha: venha visitar Floripa... é lindoooo
- Bê: realmente, parece q mta gente resolveu ficar dodói no feriadão...
Aos demais anônimos que deixaram recadinhos carinhosos para nós, tbm amamos mto vocês! =P
Agora, pessoal, pedimos mais uma vez que nos mandem e-mails contando como foi a saída do armário de vocês. Queremos fazer um post que ajude outras pessoas a passarem pelo que já passaram e passamos também.
Bom, eu, Flávia, estou preparando uma matéria especial referente às agressões feitas a pessoas homossexuais. É realmente uma falta de respeito para nós e para essas pessoas. Não pode ficar sem punição. E também não pode passar por despercebido.
E ahhhh, agora só dando notícias nossas, pq estava mais que na hora, amanhã vamos ao Sebo comprar livros! êêêê!
hehehehe
Beijinhos
T+

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Ainda estamos vivas

Gente, ainda não morremos!
Prometo que amanhã responderemos os e-mails e os comentários, tá?
Tbm farei o possível pra conseguir postar algo bacana pra vocês, que não desistem de nós!
\o/
Obrigada por nos desejarem melhoras!
Beijoquinhas

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Sumidaaas

Só pra lembrar a todos q ainda estamos vivas, apesar de termos passado o feriadão inteiro doentes com uma virose terrível. Já estamos melhorando.
Assim que estivermos 100% estaremos respondendo aos e-mails e colocando uma nova história no ar!
Agradecemos pela paciência!
Beijos

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

VISITA À CAPITAL

O fim de semana teria sido como qualquer outro, não fosse o fato de termos ido à uma viagem de estudos para Florianópolis.
“Mas, peraí, viagem de estudos?”
Pois é, a Clara é professora, como vocês já sabem. As turmas que ela dá aula iam para Floripa. Como haviam sobrado lugares, fui convidada pra ir junto! =D~
Como de costume, fomos dormir depois de assistir ao Programa do Jô. Então, no sábado, pelo fato de termos que acordar às 4 horas da manhã, já imaginávamos o que nos aguardava.
Bom, apesar de não termos dormido quase nada, o dia foi bem lucrativo. Só sentimos o cansaço no domingo mesmo, mas isso não vem ao caso. Vamos à parte que interessa...
Como moramos em uma cidade do interior, estamos acostumadas a acreditar que em cidades maiores o pessoal é estúpido – geeeeente, não generalizando e nem querendo ofender, mas com as experiências anteriores que tivemos acabamos criando esse estereótipo.
De qualquer forma, temos que admitir aqui que fomos muuuuito bem recepcionadas. Adoramos o pessoal de Floripa! =P
Bom, continuando...
No caminho (em Biguaçu) paramos em um restaurante que tinha um pastel de camarão D-I-V-I-N-O! Confiram a foto de lá:

Ainda no caminho, mas quase chegando no local onde íamos parar, umas fotos da famosa Ponte Hercílio Luz, que foi desativada no ano de 1991:

Tá, mas... Chegamos em Florianópolis por volta das 9 horas da manhã. Eu, Flávia, passo mal viajando de ônibus. Então, com tanto tempo de viagem, já era de se esperar que eu chegasse lá VERDE.
Quando pisei em terra firme, veio à minha mente uma imagem de quando eu era criança. Afinal, todas as escolas de SC já devem ter feito essa viagem no primário.
Mas, agora adulta, Floripa continuava fantástica! XD
Confiram abaixo algumas fotos da nossa viagem maravilhosa...:
A Figueira da Praça XV de Novembro:

Visitamos o Museu e a Igreja da Praça XV de Novembro:


O Mercado público:

A Lagoa da Conceição (gente, em frente à Lagoa, tem um restaurante que o almoço é livre e você paga só R$ 15,00. Mas, não se come a comida tradicional e sim, camarão, lula, ostra, peixe e diversas outras coisas. ADORAMOOOOOOOS):

Os meus pés ^^ - reparem em como a água é cristalina nessa lagoa:

A Praia da Joaquina:




Nossos pés na praia! =D

As Dunas:



O Aeroporto (tá, poderíamos ter ido à outra praia, mas o guia preferiu nos levar até... uma perda de tempo... dexa kétu...):

E o Estádio do Avaí (só um estádio como qualquer outro. Só que muito menor do que aparece na TV):

Esperamos que tenham gostado das fotos!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

QUINTA-FEIRA APAIXONANTE – Parte III

Clara começou a beijar meu corpo enquanto acariciava deliciosamente a minha bucetinha.
Eu ficava cada vez mais cheia de tesão. Sentia meu corpo querendo se entregar mais e mais.
Clara estava muito excitada também. Começou a colocar seus dedos dentro de minha bucetinha. Mantinha um ritmo frenético.
Não, dessa vez eu não queria romance. Queria sexo, só!
Pedi mais. E ela colocava mais de sua mão em mim.
Enquanto isso, ela abria bem as suas pernas para poder esfregar sua bucetinha em minha coxa.
Quando ela faz isso, eu fico ainda mais louca. Ela me deixa em um estado...!
Pedi para ela não parar. Gemendo, implorava para que ela metesse mais.
E foi assim, num movimento incessante que gozamos juntas!


Pois então, agora respondendo aos comentários.
É realmente ótimo receber agrados em datas não-comemorativas.
O pessoal de onde eu trabalho até tentou pedir quem havia mandado, mas eu dei uma disfarçada e saí batido! Hehehehe
Amanhã vem uma história muuuuito legal, sobre nossa ida à capital de SC: Florianópolis!
Um beijão
T+

terça-feira, 9 de novembro de 2010

QUINTA-FEIRA APAIXONANTE – Parte II

Olhei para cima da cama e vi um pacotinho com aquelas maravilhosas bolinhas (já escrevemos sobre isso, confira o post aqui!) e um outro negocinho novo.
Olhei mais atentamente e vi que era um outro tipo de bolinha. Essa não era pra usar interiormente, e sim, para passar pelo corpo e degustá-la.
Era roxinha e tinha sabor de uva. Mas claaaaaro que quem sentiu esse gostinho não fui eu.
Clara me deitou e tirou as minhas roupas, me deixando só de calcinha e top.
E, antes de deitar, tirou as delas também, ficando igual a mim.
Deitada, enfiou a cabeça entre minhas pernas e cheirou toda minha bucetinha.
Senti um calorão que foi dos pés à cabeça.
Ela me virou de lado e mordeu várias vezes o meu pescoço, enquanto deslizava com suas mãos duras, todo meu corpo arrepiava.
Gemia e sussurrava em meu ouvido enquanto estava atrás de mim, fungando no meu cangote.
Acariciou meu corpo até que sua mão encontrou minha bucetinha ansiosa.
Passou os dedos nela e me virou com agilidade. A mesma com que veio para cima de mim.
Abriu a embalagem da bolinha de uva, e como esta é mais durinha do que a de uso interno, ela teve de esfregar várias vezes entre as mãos para que a película se rompesse.
Assim que esta se abriu, Clara despejou o líquido entre minhas coxas, meus seios e minha barriga. Me lambuzou todinha...
Depois, abriu a embalagem da bolinha de uso interno e colocou-a na entradinha da minha bucetinha. Empurrou um pouco com os dedos e com a língua, até que a bolinha entrou completamente em mim.
Clara continuou me acariciando, fazendo com que eu ficasse ainda mais excitada ao mesmo tempo em que espalhava o gel de uva em mim...





Gente, amanhã vem o final dessa história!
Nos perdoem pela domora. Além de estar super corrido pra nós, nosso pendrive sumiu. Então, perdemos tudo o que tínhamos deixado adiantado.
Um beijão para todas!
E, quinta-feira, vem uma histórinha da nossa viagem à capital de SC: Florianópolis!
T+

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

QUINTA-FEIRA APAIXONANTE – Parte I

E mais uma quinta-feira havia começado. A mesma coisa da quinta-feira anterior. Cada uma se despede e vai trabalhar.
Quando chegou perto das 17:00h, a secretária me ligou dizendo que a chefe queria falar comigo. Eu sei que “quem não deve, não teme”, mas fiquei meio apavorada! =P
Cheguei à sala dela e os rapazes que trabalham na mesma sala me pediram pra sentar.
Todos me olhavam com um semblante sério, comecei a ficar mais preocupada ainda.
Já sentada, minha chefe disse: “Flávia, temos uma coisa séria pra falar com você!”
Pensei: “Pronto, ganhei a conta!”
O rapaz que estava ao meu lado, não aguentando segurar o riso, falou: “Essas flores são pra você!”
Tão apavorada que eu estava, nem tinha percebido que havia um vaso lindo de rosas vermelhas, em cima da mesa de minha chefe. A foto é esta aí que vocês podem conferir...

Já havia ganho buquês dela antes, em casa e até acompanhados com aquelas maravilhosas cestas de café da manhã. Mas no trabalho foi a primeira vez... Não conseguia entender a situação, sabem?
Fiquei meio fora de mim. Imediatamente, discordei dele e falei que ele só podia estar me zoando. Ele reafirmou o que havia dito e mencionou que acabara de chegar, me pedindo para conferir o cartão.
Ainda meio boba (hauhauahuahauuah) procurei o cartão o mais depressa possível.Estava lá. Lindo! É este cartão aí...

Mas ta, continuando...
Fiquei mais vermelha que as rosas. Uma, pelo fato de não esperar que algo assim me acontecesse, afinal, não estávamos fazendo nenhuma espécie de aniversário.
Tudo bem, peguei meu vaso e subi para minha sala.
Geralmente não há um trânsito muito intenso lá. Mas, exclusivamente naquele dia, todo o pessoal do lugar onde trabalho decidiu dar uma passadinha por lá.
Um chegou a dizer: “Nossa, nem conheço o cara, mas com essa ele já ganhou um ponto meu!”
E eu só pesando: “Eles nem imaginam que ta muito longe de ser um cara... É uma menina lindaaaaaaa que eu amo muitooooo!”
Então foi assim até terminar o dia. Cada vez que entrava uma pessoa era um comentário diferente.
E eu me achando. A mulherada toda querendo ganhar um igual! =P
Quando o dia acabou, Clara foi me buscar. Eu estava lá nas nuvens, né?
Pra continuar o dia maravilhoso que já havia se iniciado, ela me levou pra tomar sorvete. Eu A-D-O-R-O! Sem noção, sorvete é minha fraqueza! Ahuahuahuahuahua Por mim, tomo sorvete o ano inteiro!
Então, depois de tomar sorvete (delícia), fomos para casa.
Chegando lá, outra surpresa! ;O

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Buenas tardeeeees


Oiiiii genteeeeee
Pra não falarem por aí que abandonamos vocês, entrei hoje só pra dar um oizinho e desejar um óteeeemooooo feriadãoooo!
Uma pena que a razão por não termos postado na sexta é a falta de tempo mesmo...
Amanhã não teremos nosso tão sonhado feriado, muito menos hoje...
Faz parte.... =P
Um beijãooooo beeem grande
Logo estaremos com um post novinho e beeeem lindo sobre algum fato que ocorreu conosco!
E sobre sair do armário, continuem mandando textos sobre a saída de vocês, tá?
T+

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Quintinha quentinha! ^^

Então, gente, ficamos muito felizes com os elogios e críticas - claro, pra estar sempre melhorando. =P
Fiquem à vontade pra usar nossas imagens em seus blogs. ^^
E como dizem por aí, a internet serve pra isso! XD
Hj, quinta-feira muuuuuito quente, umas tirinhas da Katita...
Afinal, faz um tempão que ela não aparece mais por aqui, né?
E queridas(os), continuem mandando e-mails pra gente, sobre o que quiserem!
Estamos aguardando tbm os e-mails sobre suas saídas do armário, pra fazer aquele post especial que comentei ontem, lembram? =D
O e-mail, está aí do ladinho, é o mesmo do msn.
Mesmo assim, tá aqui: segredosdeumalesbica@hotmail.com
E agora, as tirinhas:







Um super beijos!
E até amanhã!!!
=***********

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Dicas para sair do armário!

Viver preso dentro de si, guardando o que é de verdade por medo ou por encontrar dificuldades para se abrir, é algo que machuca e muito.
Não poder ser quem você realmente é, é algo realmente difícil de aturar.
Foi com base no que a Clara e eu passamos, em depoimentos de pessoas que nos mandam e-mail e em textos retirados da internet, que resolvemos fazer esse post para tentar ajudar àquelas pessoas que nos pedem ajuda. Aí vão algumas dicas. Espero que elas sirvam... ^^

Muitas vezes temos que mentir para os pais, os amigos, a sociedade sobre nossa sexualidade, gerando revolta e desprazer à vida.
Muitas pessoas acabam tendo sua real identidade sexual adormecida, e vivem momentos que não trazem a felicidade plena, outros se envolvem com drogas para "tentar" esquecer tais sentimentos e muitas vezes acontece o pior, que é a pessoas se relacionar com outras que não são muito bem intencionadas e seguindo caminhos que muitas vezes não tem volta. Prostituição, por exemplo.
Porém, existe uma minoria que resolve assumir sua identidade sexual e expondo ela à família, aos amigos e à sociedade, certos de que isso é uma atitude muito complexa, por não saber qual será a reação das pessoas. Para os pais, é longo o processo de aceitação da sexualidade do filho, mas um dia ela ocorre, mesmo que não seja 100%, o respeito merecido é alcançado.
Quando falamos em amigos e sociedade, a "preparação" tem que ser ainda maior, pois a reação deles, sim, é preocupante. Se feito de uma forma bem sutil, natural e principalmente impondo respeito, o devido respeito será lhes dado.
Um fator importante é a forma que será tratado este fato. Algo que se deve ser muito bem administrado é como tirar as dúvidas e curiosidades dessas pessoas, pois pode ter certeza que serão muitas, ater-se a forma de explicar como acorre os relacionamentos, o sexo e a vida em geral. Isso é muito importante que seja feito da forma mais natural possível para que possa passar às pessoas que ser homossexual/bissexual é diferente do que elas imaginam, e fazendo isso assim você ganhará mais respeito e quebrará alguns tabus.
Agora é hora de parar, pensar, analisar todos os fatos possíveis e imagináveis. Fazer um balanço dos prós e contras, das perdas e ganhos e ver se é a hora exata de fazer tal "revolução", para que tudo seja como você gostaria que fosse, ou pelo menos próximo disto. Será que você, JÁ, está preparado(a)?

NUNCA SAIA DO ARMÁRIO:
1. Durante uma discussão, menos ainda para agredir alguém.
2. Perante uma quantia grande de pessoas; um indivíduo é mais dotado de raciocínio que um grupo de pessoas reunido. Saia do armário para uma pessoa só por vez.
3. Dizendo que é homossexual de uma forma muito agressiva. Principalmente porque pessoas ignorantes podem dizer coisas sem imaginar que são dolorosas de ouvir.
Lembre-se de que simplesmente eles não têm consciência e que (provavelmente) estão em estado de perplexidade.
4. Como drag, não é muito indicado (a menos que você tenha os sapatos certos... ^^ ). Lembre-se que um turbilhão passa pela cabeça da pessoa a sua frente: ela tem que lidar com a ideia que você é gay, (principalmente se você não se enquadra em um estereótipo de gay).
5. Bêbado(a). Esteja sóbrio, completamente!
6. Acompanhado(a) de seu/sua parceiro(a). É melhor dar um passo de cada vez. Esteja pronto(a) para dar tempo e espaço necessários para a pessoa pensar a respeito antes de iniciar alguma discussão. Esteja preparado(a) para ser interrogado(a) com questões que podem ou não ofendê-lo(a). Para algumas pessoas é difícil admitir que seu conhecimento sobre um assunto é limitado. Leve um livro, panfleto, número de telefone ou qualquer outro recurso a que seu interlocutor possa recorrer quando você não estiver por perto.


7. Esperado que a outra pessoa entenda imediatamente. Pense sempre que a vida é sua, você pode contar SÓ com você, e seu argumento fundamental é que você vai continuar vivendo como uma pessoa gay, não importando as objeções de outros quanto a isso. Existem pessoas que nunca irão suportar, não faz diferença o que disserem.
8. Precipitadamente. (Respire, profundamente.)
9. Acreditando que, pelo fato de um(a) conhecido(a) ter se saído bem/mal sucedido, com você será igual. Nenhuma experiência em sair do armário pode ser comparada com outra. É um momento único.
10. Com pressa. A maioria das pessoas precisam de um bom tempo para pensar realmente sobre as coisas e podem querer te interrogar sobre os mais diversos assuntos relacionados à sua “decisão” de “virar” gay.
11. Sem um plano reserva. Você pode não precisar dele, mas se precisar será bom não ser pego de surpresa. Tenha um lugar para ficar durante a noite e dinheiro que você possa utilizar caso a cena persista por mais tempo.
12. Com medo. Tenha habilidade ao falar. Em último caso, grite - você precisa se defender também.

E lembrem-se sempre, por melhor que a vida dentro do armário, estar livre traz sempre uma sensação de que sua vida está completa. Ficar enclausurado em seus próprios sentimentos não lhe fará bem. Com o tempo você perceberá isso. Mas, esteja certo de que você já está pronto para enfrentar a situação que vier, independente de como ela for.
E, quando for dar o primeiro passo para fora, tenha sempre alguém com quem contar, pode ser necessário.
De qualquer forma, se isso servir de algo, sinta-se à vontade para contar conosco. Ajudaremos no que for possível.
E gente, quem já passou por essa experiência, gostaríamos que nos enviasse um e-mail contando como foi. Gostaríamos de publicar os relatos de nossas(os) leitoras(os) para servir de apoio à pessoas que vão tomar essa decisão muito importante.
Aproveitando o tema, segue uma nova enquete “sobre sair do armário”. Assim que ela finalizar, publicaremos os e-mails recebidos contado sobre suas experiências. Lembrando sempre que faremos isso preservando a identidade de quem nos escrever.
Mudando um pouco de assunto, amanhã falaremos sobre a enquete que ficou no ar sobre: “Uma pessoa pode deixar de ser homossexual?”. by Flávia
Agora, se esse post lhe ajudou em algo, e você decidiu que vai parar de se esconder, pegue seu bilhetinho 'anote e cole' e pendure ele em algum lugar para ter como meta para o próximo ano: "Sair do Armário":


Um beijão para lésbicas, gays, travestis, transexuais, bissexuais, curiosos, heterossexuais e todo tipo de leitor(a) que aparecer por aqui, no "SEGREDOS DE UMA LÉSBICA"!
T+




E só pra constar, esses textos com dicas foram pegos na internet e modificados por mim, Flávia.
Como eu já havia citado, além de partes contendo minha própria opinião.
Mas, mesmo assim, valeu pela dica "Anônimo".
=D

Acabou! E agora?

Aproveitando o tema anterior “Será que meu namoro está no fim”, decidimos criar um post sobre depois do fim, de como agir. Aliás, muitas pessoas entraram em contato conosco pedindo dicas para tal. Então...
Quem, após o fim de um relacionamento, já não desejou nunca sofrer?
Seria fácil, não?
Já imaginou um relacionamento em que não há expectativas nem envolvimento?
Sem ambas não haveria decepção nem perda.
Mas, como sabemos que o sofrimento é uma constante em nossas vidas, aí vão algumas dicas de como superar o término de um namoro...:
O maior problema com relação ao fim de um namoro é que a gente pode até saber das coisas, mas a gente não consegue senti-las. Não conseguimos sentir que tudo passa. Não conseguimos enxergar a possibilidade de outro amor no futuro. A dor parece não ter fim. A vontade de chorar aparece em horas impróprias e inesperadas. Não há pote de sorvete no mundo que apazigue essa dor tão intensa e subjetiva. Mas ajuda, né? ^^
É engraçado ver como cada um procura estabelecer comportamentos-padrão para seguir após o término. Uma espécie de “regras da separação”. Já vi gente que queimou fotos, já vi gente que passou mais de um mês isolado em casa. Hoje em dia, no mundo moderno, já vi gente cometer orkuticídio, colocar letra de música depressiva no blog.
É. Terminar é complicado mesmo. E para mulheres, então? Não conheço UMA que não passou o mês seguinte analisando cada detalhe da relação, se perguntando o tempo todo “será que eu tentei o suficiente?”, “será que eu exagerei?”, será que ele(a) nunca me amou?”, “será que ele(a) me quer de volta?”, “será que eu não devia ter terminado?”. A obsessão amorosa parece mesmo genética nas mulheres. ¬¬’
Eu nunca pensei em criar regrinhas para um término. Mas pensando em ajudar as muitas pessoas que nos escrevem, cheguei à seguinte conclusão:

AS REGRAS DO TÉRMINO

1. esconda as fotos de sua ex e de vocês juntas e felizes, mas não as destrua. Depois que tudo passa e você desapaixona, é um arrependimento só. Afinal, as pessoas, quando entram na nossa vida, passam a fazer parte de toda a nossa história;

2. cerque-se de atividades e inove. Volte a ter contato com amigas que não vê há tempos e vá sempre pra lugares aonde nunca ou raramente foi. Explore sua própria cidade, como se fosse turista. Pode até paquerar na noite fingindo que é turista mesmo. Invente um sotaque! =P

3. afaste-se de filmes românticos hollywoodianos. Ninguém vive feliz para sempre. Só vão te fazer mal. Aposte nos extremos: comédias hilárias para se distrair ou dramalhões absurdos, para chorar com outra justificativa que não seja o fim do namoro;

4. NADA DE BISBILHOTAR NO ORKUT, FACEBOOK, BLOG, FOTOLOG, TWITTER, ou seja lá o que for!

5. comece a namorar com você mesma. Se dê os presentes que você queria. Vá ao salão, compre um vestido, passe batom carregado de gloss. Você não tem que ficar beijando ninguém mesmo. Mas nada de cortar o cabelo curtíssimo num impulso. Se ficar ruim, você vai se sentir pior;

6. se você é daquelas que realmente não consegue tirar da cabeça o término, apele: faça serviço voluntário numa creche, visite um parente falecido no cemitério, faça qualquer coisa que te mostre como um fim de namoro é, na verdade, algo pequeninho na dinâmica da vida e do mundo;

7. tente se convencer, todo dia um pouquinho, que o fim de um namoro nada mais é do que a oportunidade de se começar outro. Se um amor foi embora, é porque há um outro ansioso para te conhecer. Olhos abertos. E se precisar, pode ficar lembrando de todos os defeitos de seu antigo amor. É um ótimo jeito de ver que não estamos perdendo grande coisa;

8. permita-se desabar, e, para isso, tenha sempre números emergenciais das amigas mais íntimas e disponíveis. Às vezes chorar num ombro tem mesmo efeito mais benéfico do que chorar só no próprio travesseiro. Permita-se sofrer. Quando você finge que está bem, acaba passando um ano muito mal;

9. exercite sua gratidão. Lembre-se que se apaixonar não é fácil e nem tão comum quanto pensamos. Quem amou de verdade, deve ficar muito feliz de não se descobrir incapaz de se entregar para alguém de corpo e alma. Isso é raro, é um presente;

10. espere. Se dê tempo. Ele age de forma surpreendente. Por isso, leve o tempo que precisar, contanto que não esteja se acomodando na depressão. É o clichê do século, mas é verdade: o tempo cura todas as feridas. E lembre-se sempre “tudo passa, até uva passa”. XD

Não adianta você rondar o telefone e nem esperar pelo seu toque mágico. O amor se foi e acreditar na sua volta faz você sofrer ainda mais do que a dor do momento final da separação.
Quando o amor termina só de um lado, o melhor é tomar consciência da perda por inteiro, até o fim, sofrer de uma vez só e de tal maneira, que por maior que fosse o amor, melhor será o esquecimento.
Não há mais mãos que se encontram no silêncio, não há mais olhares que se cruzam cúmplices. É a estação dos beijos que se findou, é o vazio que chegou e você, sem preparo ou previsão, não guardou nada para si. Nenhum amigo, nenhum programa pessoal, nenhum simples cantinho da existência que pertencesse só a você, que não tivesse sido devassado. Você tudo partilhou, tudo aceitou, e agora precisa vencer a dor e organizar de novo toda sua vida.
Por isso, não fique aí esperando que, num milagre de novela, a força do amor extinto se revigore, trazendo ao momento presente o doce e apaixonado elo que se perdeu. Para tanto, deixe de rondar esse telefone, deixe de esperar pelo e-mail que não vem.
Quando o amor acaba, o que se deve fazer é vestir a melhor roupa, sair para passear e interagir com a vida, com o universo do cotidiano: ir ao cinema, atravessar a praça, fazer um curso de autoconhecimento ou meditação, abrir as portas para a vida e para um novo amor.
Por isso, esqueça esse telefone, saia e deixe em casa o celular. Vá para vida que a vida virá para você. By Flávia



Amanhã, mais uma vez respondendo aos e-mails que recebemos, um post sobre como sair do armário!
Beijocas! =P

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Segunda-feiraaaaaaa! =D

Bom gente, eu sei que o prometido pra hoje foi um texto sobre o fim de relacionamentos.
Mas, como a Clara é professora, teve que fazer um consurso no fim de semana. E eu, Flávia, tive que conparecer a um evento, o qual colocarei umas fotos abaixo:









Tá, quem nos conhece, reconhece.... Mas, e daí?
Cansei! =P
Um beijão pra todas, espero que tenham gostado das fotos!
O carinha de camisa laranja é meu irmão! ^^
E as duas cadelas Pastor Alemão, são minhas filhas com a Clara! XD
Até amanhã! =*******

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

SERÁ QUE ESTÁ NO FIM???



Após muitas pessoas terem nos enviado e-mails pedindo ajuda sobre “Como faço para saber se meu namoro está no fim?”, decidimos escrever uma matéria completa sobre o assunto. Entender os sinais de um relacionamento que está indo por água abaixo, não é uma tarefa fácil. Por isso, coletei informações de vários sites e da vida mesmo, para poder tentar ajudar a vocês. De qualquer forma, nem sempre os sinais abaixo citados serão a prova de que um namoro está no fim. Nem sempre é possível prever o fim. De qualquer forma, aí vai...

- FALTA DE SEXO: O sexo não é uma coisa essencial, sem a qual não vivemos. Mas, em um relacionamento sadio, o sexo se faz presente. E, de acordo com especialistas, se o amor se vai, o sexo também. Se você já não sente mais vontade de fazer sexo, mesmo com toda a disposição e tempo para isso. Se você sente algo parecido com o sentimento que tem para com um irmão. Quando se tocam e tem que se esforçar para sentir um pouco do que sentia no início. Principalmente para uma mulher, quando o desejo acaba, provavelmente o amor também não exista mais.

- DIVERSÃO E DESEJOS LIMITADOS: Sair para se divertir não é preciso. Mas, quando acontece, é bem-vindo, né? O problema é quando essas datas ocorrem e você acaba terminando ela de uma forma ruim. Quando chega ao ponto de começar o aniversário de namoro de vocês de uma maneira excelente, mas, no final, acabam se irritando e brigando por qualquer coisinha. Que, sério, a gente sabe que quando um amor está no fim, os motivos mais banais são suficientes para iniciar uma guerra. E o desejo de mandar mensagens? Ligar a toda hora? Se fazer presente? Se eles não existem mais, então já sabe minha querida amiga, provavelmente você ou sua parceira já não estão mais a fim.

- SILÊNCIOS QUE NÃO ACABAM MAIS: Tá, vocês nunca foram de se falar muito. Não fazem o tipo tagarelas. Mas, a noite chegou e a casa parece vazia. Não há mais assunto. Já não tem mais vontade de falar sobre as coisas que aconteceram no seu dia. É como se vocês já não fizessem parte um da vida do outro.

- TERCEIROS À VISTA: Sentir atração por outra pessoa, às vezes, é normal. Mas, quando essa se torna uma constante, a ponto de você não sentir mais nenhum tipo de atração somente pela parceira, aí, ela vira um problema. Se você é do tipo fiel e, de repente começa a sentir-se atraída por outra pessoa. Se você olha com outros olhos para suas amigas. Se você só desperta para a hora H pensando em outras. É melhor terminar para não ser infiel.

- DÚVIDAS: Esta é uma grande aliada num relacionamento. Se você está com dúvidas, é sinal de que nem tudo está perfeito, ou pelo menos não tão bem quanto poderia estar. Se você já não sabe se ama a parceira ou tem dúvidas do amor dela para com você, é um sinal de que algo precisa melhorar.


Mais umas dicas que podem indicar o fim de um relacionamento, responda as perguntas a seguir:

Eu amo meu parceiro(a)? Temos metas e objetivos de vida em comum? Imagino criar uma família com ele(a)? Sinto orgulho e admiração dele(a) e valorizo isso para todos? Percebo sinais claros de que ele(a) me ama? Vejo a liberdade da vida de solteiro dos(as) meus(minhas) amigos(as) e não os(as) invejo? Consigo viver tranquilamente com seus hábitos e manias? Conheço pessoas interessantes e não sinto desejo e vontade de ficar com elas? Consigo ser eu mesma(o) quando estou com ele(a)? Ele(a) nunca me coloca para baixo e trata minhas idéias como idiotas?
Enquanto você tiver respostas positivas para a maioria dessas perguntas e seu relacionamento for saudável, significa que o relacionamento ainda tem grandes chances de dar certo. Alguns pontos sempre são ajustáveis através de conversa.

Agora, se você respondeu não para a maioria, mas seu relacionamento não é saudável, se teu(tua) parceiro(a) sempre te coloca para baixo, é excessivamente controlador(a) e ciumento(a) é importante repensar se a longo prazo isso é saudável e se tem solução.

E se a resposta for não para a maioria, não sei o que ainda faz nesse relacionamento. Não mantenha uma situação apenas por medo de estar sozinha(o) ou não encontrar outro(a) ou por estar acostumada(o) com uma rotina e ter receio de não saber mais viver sozinha(o).

Não espere para perceber que acabou apenas quando pegar seu(sua) parceiro(a) com outra(o) ou for agredida(o) fisicamente ou ter perceber que discutem por tudo e não concordam com nada.

Então gente, você não precisa mudar seu pensamento agora e achar: “ESTÁ TUDO PERDIDO!”.
Pense que o que for pra ser será, e converse bastante. Jamais faça algo que não quer para agradar sua parceira. Não tente ser gentil para fazer durar uma relação. Isso pode ser bem pior à medida que os dias vão passando. Tanto para você quanto para sua parceira. Esclareça tudo o que estiver pensando para sua companheira. E não esqueça que o verdadeiro amor supera tudo, seja distância, discussões, família, enfim, após colocar tudo na balança e dialogar bastante, fica a critério de vocês decidir se acabou ou não. By Flávia.


E, na segunda-feira, o tema abordado será: "ACABOU, E AGORA?"
Um super beijo no coração de todas que lêem nosso blog!
Adoramos vocês! ^^
Tenham todas (os) um ótimo, maravilhoso e muito alegre fim de semana!
E, acima de tudo, tenham uma sexta-feira extremamente colorida! =P
T+

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Post bacana...

Se preparem para o post de amanhã...
Devido a alta quanti de e-mails pedindo sobre um tema em comum, amanhã o post será totalmente dedicado a ela! ^^
Desculpem-nos por sair do msn assim, ele travou.
Até amanhã pessoal.
Continuem escrevendo o que não deu pra terminar no msn.
Mandem-nos emails.
Ficaremos muito felizes em poder ajudar-lhes!
Beijinhos

NOVA CHUPADA - PARTE II

Assim, rebolei conforme a língua dela fazia círculos, e, gozei mordendo o grelinho dela.
Deitei-me ao lado da Flávia e pedi se ela havia gozado. “Não”, ela me respondeu.
Cansada, beijei-a durante um tempo para me recuperar e retribuir suas deliciosas carícias.
Pedi para a Flávia se deitar com as pernas abertas para fora da cama, onde eu me ajoelharia e ...
Coloquei um travesseiro no chão, me ajoelhei e comecei a chupá-la, lambi seu ânus, seus lábios, o clitóris, lambia e dava mordidinhas. Beijei seu clitóris e suguei-o, como se tentasse chupar um canudinho muito fino. Continuei sugando e ela logo começou a gemer e a falar delícias para mim: “ah, assim... vai, assim”, “chupa vai, não pára, não pára, não pára...”, e gozou. Descobri depois de dois anos de namoro e sexo que ela também pode gozar na minha boquinha comigo sugando seu grelinho.
Olhei para a bucetinha dela e vi como tinha deixado seu clitóris saltado e inchado de tanto ser chupado e com muito sangue retido.
Adoramos! =P








Os e-mails foram respondidos!
Bjinhos e até amanhã!
^^

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

NOVA CHUPADA - PARTE I

Sexta-feira normal, nenhuma de nós foi trabalhar, estávamos em casa assistindo e de vez em quando brincando com as nossas cadelas, quando sem explicação deu vontade de transar. Falo apenas por mim, a Flávia não estava a fim de fazer nada, reclamava o tempo inteiro, dizendo que estava cansada, que de tanto dar na quinta-feira e durante a madrugada, a bucetinha dela estava arrebentada... Reclamava o tempo todo.
Eu, estava muito excitada, tinha acabado de tomar bainho, estava cheirosinha, macia e sentia que a minha bucetinha latejava.
Entramos depois de um tempinho brincando com as cadelas e fomos deitar na cama para assistir. Eu deitei, a Flávia ficou sentada de bico. Como não agüentava mais de tesão comecei a implorar que ela fizesse alguma coisa em mim, qualquer coisinha, que desse uns beijinhos, umas mordidinhas, uma chupadinha...
Ela sentada perto da minha bucetinha continuava negando, dizendo as mesmas coisas.
Insisti alguns minutos e ela acabou concordando. Tirou minha calcinha irritada e começou a me chupar. Flávia estava chupando gostoso, mas senti vontade de chupá-la também. Pedi para parar e propus que fizéssemos um 69. Ela aceitou, mas disse que queria ficar embaixo.
Voei para cima dela e coloquei minha bucetinha encaixadinha em sua boca. Seu cheiro estava incrível, a bucetinha raspada bem aberta para mim... e o gosto também estava uma delícia, chupei com muita vontade, me dediquei a chupá-la com capricho para depois esfregar na boca dela.
Ela enfiava a língua quente em mim e eu aproveitava e esfregava com vontade na boca dela. Queria que ela me chupasse toda, se possível, até que me comesse. Chupava muito bem, me deixava louca.




Bom gente, retornamos novamente com a rotina normal!
Amanhã tem a segunda parte da história e as respostas dos comentários e dos e-mails que não acabam de chegar!
=D
Adoramosssssssss
Continuem participando!
Beijos e até amanhã!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Então....

Correria novamente.
Estamos entrando somente pra deixar um beijão pra galera e pra colocar o link de um filme q adoramos!
Quem já assistiu a saga Crepúsculo, vai adorar essa comédia: Os Vampiros Que Se Mordam
Não tem nada a ver com lésbicas, mas dá pra rir mtoooooo.
A sinopse é a seguinte: Os Vampiros que se Mordam’ é uma sátira aos filmes que abordam a angústia e a vida amorosa dos adolescentes no mundo contemporâneo(Sátira do Filme Crepúsculo). Becca, adolescente ansiosa que não é vampira, está indecisa entre dois garotos. Antes que consiga escolher, ela precisa dar um jeito no pai controlador, que a faz passar vergonha tratando-a como criança. Enquanto isso, os amigos de Becca’ se veem às voltas com seus dilemas amorosos -, e tudo vem à tona na festa de formatura da escola.
Donwload: AQUI
Um super abraço e continuem respondendo nossa enquete.
Até amanhã!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Quartinha...

Bom, respondendo aos comentários, após tanto tempo.
Ficamos mto felizes com o fato d o blog estar ajudando tanta gente.
Mas então, depois desse feriadinho, aí vai...
Em primeiro lugar, Lidiane, gostaria de dicas sobre o que exatamente? Escreva, pergunte, sinta-se em casa! ^^
Um super beijão para a anônima que nos acompanha de Portugal! Nossa, mto bacana mesmo!
Olha o contador gente, já passou dos 11 mil visitantes, e está alcançando proporções que não esperávamos. Um abraço para o pessoal de fora do Brasil! =P
E Caloura, deu certo com vc e sua gata? O negócio de usar as bolinhas... Esperamos q sim, nós adoramos! =D
Ana, qdo falamos em gozar, chegar ao ápice, estamos mesmo falando que atingimos o orgasmo, tá? E sim Ana, é possível gozar apenas se masturbando, se esfregando em alguma coisa (mesa, ravesseiro, cama, urso - como já disseram pra gente) , ou mesmo, sem tocar em nada. E qdo estamos apaixonadas, é normal q o prazer seja maior pensando na pessoa amada... Que no seu caso, é sua chefe inacessível. Sinta-se à vontade para falar o que sente e acontece com vc, tá? ^^
Aix, estamos parecendo políticos em época de eleição. Ainda não achamos aqueles textos q nos pediram. E, mais uma vez, prometemos continuar procurando! hehehehe
Mas essa promessa será cumprida! ¬¬ Sério! =P
E pessoal, comentem sobre o q quiserem, tá?
É permitido q anônimos comentem, justamente por ter pessoas q não querem se identificar, como nós!
Às pessoas q não querem comentar, mandem e-mail. Responderemos tbm!
Inclusive, já respondemos aos e-mails, tá?
E sempre, com o sigilo q nos for pedido!
Agora, vamos postar sobre o nosso dia de ontem que, aliás, foi mto divertido.
Não tem nada relacionado a sexo, mas foi legal e qremos compartilhá-lo com vcs!
Aí vai mais um segredo de uma lésbica! ^^
O dia começou lindo, um sol gostoso e um vento maravilhoso.
Tínhamos ido dorir tarde na segunda-feira, aproveitamos q ontem era feriado e dormimos até meio dia! @@
Qdo chegou à tarde, meu irmão ligou convidando a Clara e eu para darmos uma volta no centro. E fomos. Ligamos para um amigo nosso, q, assim como meu irmão, tbm é gay! Nussss, dia colorido esse! A propósito, bjão irmão e bjão FLY (nome fictício q ele mesmo escolheu, hehehehe).
Então tá, meu irmão estava com a grana.. hauhauhauhua
Fomos comer uma porção de fritas e tomar uma coca-cola! =P
Antes disso, tínhamos tomado uns chops, e nossa sensibilidade estava meio alterada! =P
Então, pra sentir o gosto das coisas, colocamos mtooooooooo sal nas fritas.
Nossa, tava até branco! =P
E nessa bobiça toda, saiu a piada q me fez rir mto. Tá, talvez nem fosse tãoooo engraçado assim. Mas, pelo fato d estarmos meio alterados, ri mtooooo...
Meu irmão falou: "Tá loko, nessas batatas tem mais sal q no Mar Morto!"
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Rimos tanto e tãooooo alto q a mesa vizinha não tirava o olho. Falamos d tudo. E meio escandalosamente! hauhuauhahuahua
Ouviam td, eu acho!
Mas foi mto engraçado. Dia mto bacana...
Agora é descansar q hj é outro dia. Trabalho e correria d sempre! hehehehe
Aiii, agora só mais uma coisinha.
Ontem estávamos assistindo ao programa Super Pop, com a apresentadora Luciana Gimenez, na RedeTV.
O tema era relacionado a pecadores, céu e inferno.
Lá, tinha um pastor que já foi homossexual. Atualmente, ele é casado e tem filhos.
Com base nesse programa, fica a pergunta, que gostaríamos q vcs respondessem, na enquete...
Uma pessoa pode deixar de ser homossexual?
Participem! ^^
Tá, por hj é só...
Amanhã tem mais!
Um beijão...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

11/10/10

2 ANOS DE NAMORO HOJE!!!





Voltando a postar somente na quarta-feira!
Beijossss

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Corrido d++++++

Bom gente, como respeito a vocês, estamos postando hj somente pra dizer q está mto corrido pra postar!
Irônico, não?
heheheehhe
Pra não ficar sem nada, seguem duas tirinhas da Katita...





Um super beijoooo!
E até amanhã!
^^

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Mais profissões e última parte da história...

Bem, como a Flávia já tinha dito, eu sou professora de História e adoro lecionar.
Nenhum aluno sequer desconfia que eu sou gay, mas acredito que alguns professores do meu local de trabalho saibam. Já que para dois deles eu contei.
Esses dias, durante a aula, meus alunos e eu estávamos debatendo sobre se um rapaz de cabelo comprido e piercing tem bom caráter. E me perguntaram o que eu achava. Respondi que depende da pessoa e que essa fase do piercing passa. Que na vida adulta perdemos o interesse por essas coisas. Um aluno, daqueles tipos agitadores, me desafiou e disse que qualquer dia desses eu deveria trazer uma foto do meu "marido" para eles verem.
Fiquei sem reação, mas já comecei a pensar besteiras, tipo: "Ahh, se eles soubessem que não é marido e sim namorada...","ahh, se eles imaginassem que a professora aqui presente chupa bucetinha"...
Em breve nossa escola fará uma viagem de estudos, vou levar a Flávia comigo e com certeza vai ficar no ar aqueeeela dúvida: "quem será essa moreninha junto da professora?".
Como não sou de entrar em detalhes, muito menos da minha vida pessoal, não vou me dar ao trabalho de esclarecer nada. Meus alunos que fiquem curiosos!
Nessa profissão não se pode ter vida pessoal, muito menos ser homossexual.
Tá, amanhã responderemos aos comentários...
E segue a história...


QUINTA-FEIRA/SEXTA-FEIRA – PARTE III

Ela ia levantar para me beijar quando esbarrou o seio na minha bucetinha. O contato do mamilo dela no meu clitóris, mesmo tão levemente, me deixou louca.
Ela percebeu o efeito que havia causado e passou o seio mais uma vez em mim. Pedi mais e mais e ela continuou, segurava com a mão direita o próprio seio e esfregava-o em mim.
Era uma sensação maravilhosa, a delicadeza do seio da Flávia, a pele sempre hidratada que seus seios têm tudo isso se encostando à minha bucetinha úmida, quente, excitada.
Ela continuou batendo e esfregando os seios em mim, já estava com dois nas mãos e ambos tocando minha bucetinha.
Aquilo era carinhoso e bruto, lindo e selvagem.
Gozei pela segunda vez e esse orgasmo foi um dos mais incríveis com certeza, estava muito satisfeita e feliz. Gozei sentindo literalmente uma mulher em mim.
Flávia deitou-se ao meu lado e respirei exausta. Olhei para ela e sorri. Flávia me disse:
- Vem dar um jeito em mim!
Por alguns segundos fiquei desnorteada, estava super cansada, mas não podia decepcioná-la, ela tinha feito muito pra me dar prazer e eu tinha que retribuir. Também não seria nem de longe nenhum esforço, já que sexo é sempre bem vindo e ela é super gostosa.
Levantei e peguei o consolo debaixo da cama. Passei as mãos nele para esquentá-lo e coloquei-o na bucetinha dela novamente, até o fundo e metendo com força. Dessa vez não vesti a cinta, apenas penetrei o consolo. Assim também estava gostoso e eu podia massagear o clitóris com a mão já que estava tão perto.
Enquanto metia beijava a barriga dela, cheirava todo seu corpo e ouvia o entra-e-sai que o molhado da bucetinha com o consolo fazia.
Quando ela disse manhosa “assim, vai, não pára”, caprichei mais nas metidas e ela logo gozou.
Tudo estava molhado: minha mão, o lençol, principalmente a bucetinha dela e o consolo.
O cheiro de sexo estava por todo quarto, impregnado nas paredes, nas cortinas, na cama, em nós...
Estávamos suadas e logo veio o frio de final de setembro bater em nossas peles, apenas nos cobrimos e dormimos exaustas. Peladinhas.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Preofissões e historinha...

Oiii gente, primeiro responderemos aos comentários, logo abaixo virá a segunda parte do post d ontem, tá?
Melhoras pra Giselle Ribeiro que passou tanto tempo internada. Volte logo à ativa com seu blog, né? ^^
Bom, sobre a menina com tatuagem igual, com certeza não era nenhuma de nós! hauhuahua O Rio fica mto longe daki! =D
Mas não dispensamos a hipótese, pq a Clara em uma avó aí! hehehehe
E obrigada pelo carinho, viu?
Estamos sempre escrevendo a nossa realidade, q bom q vcs gostam dos nossos textos! =]
E Ana, obrigada pela admiração! =P~ E mais sorte com essa menina q vc não sabe se t quer!
Tá certo, iremos revelar com que trabalhamos.
A Clara é professora de História e eu, Flávia, sou designer!
Amanhã colocaremos mais detalhes sobre nossas profissões! ;D
E a pergunta mais antiga, que nem respondemos ainda, não, nunca passamos pelo momento da traição. Até onde eu saiba, nem passaremos, deve ser realmente muito difícil e dolorosa a convivência depois disso, né?
Bom, sem mais demoras e enrolações, segue a história...


QUINTA-FEIRA/SEXTA-FEIRA – PARTE II

Quando coloquei dentro dela, suas pernas grudaram nas minhas costas, me envolvendo num abraço e me prendendo colada ao seu corpo. Transamos um tempo assim, agarradinhas e devagar, mas eu sabia que ela queria mais.
Deitei e ela veio por cima, sentando no consolo com força e batendo na minha bucetinha.
Segurando sua cintura a ajudei a subir e descer, pois sei que ela adora e fica louca de tesão. Também apertava a bunda em quanto ela dizia “assim”, “ai, assim eu gosto”, e coisas do tipo.
Quando estava quase começando a doer minha bucetinha de tanto a dela bater em cima, Flávia começou a ficar pesada e gozou, gozou demorado ainda cavalgando com força.
Quando terminou de gozar, ela me olhou e seus olhos estavam brilhando, talvez iguais aos meus, eu reconheci e percebi que era brilho de prazer.
Tiramos a cinta e a jogamos embaixo da cama.
O problema foi que de tanto bater na minha bucetinha, a Flávia me deixou excitada de novo.
Mas, agora depois de cavalgar tanto ela devia estar cansada e compreendendo isso, subi e comecei a esfregar minha bucetinha na dela, fazendo um verdadeiro tribadismo.
Esfreguei um tempinho nela, mas assim eu não iria gozar. Virei-a de costas e me esfreguei na bunda dela como já tinha feito há algumas noites, mas dessa vez não deu certo e também não consegui gozar.
Desisti e deitei.
Estava frustrada, sentia tanto tesão mas não havia conseguido gozar. Pedi para a Flávia fazer alguma coisa, chupar mais um pouco, me masturbar, esfregar em mim... Qualquer coisa.
Ela desceu até minha cintura de me chupou, mas ainda não senti que iria gozar e pedi para fazer outra coisa.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

QUINTA-FEIRA/SEXTA-FEIRA – PARTE I

Não sei se por saber que estava prestes a ficar menstruada, mas, na quinta-feira a noite queria transar pra caralho. A Flávia chegou tarde do trabalho, parecia cansada, mas não estava, coisa que eu só iria comprovar mais adiante.
Para o jantar pedimos pizza, uma de calabresa e portuguesa, outra doce de goiabada e chocolate.
Viramos a cama para melhor assistir no computador e a Flávia se abaixou perto de mim, que estava esparramada na cama. Acho que ela abaixou para tirar o tênis, mas a única coisa que notei foi que sua boca ficou centímetros perto das minhas coxas.
Subitamente minha bucetinha ficou agitada, eu estava deitada assistindo e de repente queria transar, apenas com o fato de tê-la sentido perto. Pedi:
- Flávia, chupa minha bucetinha, vai. Eu queria tanto...
Ela sorriu e brincou:
- Ah, não sei se você merece, acho que não devia chupar.
Ela falou isso já tirando meu short e minha calcinha. Jogou minhas roupas no chão e se ajoelhou entre minhas coxas.
Primeiro me cheirou encostando levemente o nariz no meu clitóris, esbarrando o queixo mais abaixo e tocando com os lábios a minha vagina, como se estivesse dando selinhos nela.
Como sinto cócegas puxei as mãos dela para perto de sua boca, assim fico tranquila e ela pôde começar a chupar como sempre faz em movimentos circulares.
Isso me leva à loucura, nessas horas sinto tanto prazer que seria capaz de fazer qualquer coisa na cama, são nesses momentos que minha mente encontra as ideias mais loucas e criativas.
Com a língua quente dela circulando meu clitóris, abri meu sutiã e acariciei meus seios, todo meu corpo precisava de carinho, amassei-os e contornei meus mamilos duros, sempre olhando para a cabeça da Flávia que quase não aparecia entre minhas coxas abertas.
No embalo, esfreguei minha bucetinha na boca dela acompanhando as chupadas, assim meu corpo começava a se arrepiar e logo estaria gozando.
“- Deixa eu gozar na sua boquinha, vai...” e gozei.
Flávia tentou dar ainda mais um beijinho, mas como estava muito sensível não deixei.
Ela se deitou ao meu lado sorrindo. Percebi que seu sorriso era de espera, ela queria o dela agora, estava esperando eu descansar um pouquinho e provavelmente iria querer dar para mim.
Levantei e busquei a cinta, a vesti e penetrei a Flávia, tudo muito rápido, ela estava me esperando na cama com as pernas abertas e com a bucetinha molhada, então foi só chegar e meter.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

PC estragado...

Genteeee, uma notícia meio podre!
Nosso pc estragou, por tanto, só postaremos novamente na segunda-feira.
Perdemos a história q tínhamos escrito.
E hj só dá pra dar uma passadinha por aqui.
Estaremos tbm respondendo aos comentários, na segunda, tá?
Do mais, abaixo segue um link de outro filme que vimos e gostamos!
Na realidade eu, Flávia, gostei muito!
Mas a Clara não... Vai de cada um de vocês darem as suas opiniões. Estaremos aguardando!
^^
- Hanna Free: Hannah e Rachel cresceram enquanto crianças na pequena cidade de Midwest, onde as expectativas tradicionais, desafiaram o seu profundo amor de uma pela outra. Hannah torna-se uma aventureira e uma lésbica sem remorso e Rachel uma dona de casa forte, mas calma. Voltanto para a frente e para trás entre o passado e o presente, o filme revela como as mulheres mantiveram o seu amor, apesar de um casamento, uma guerra mundial, as infidelidades, e a negação da família.
Tenham um ótimo fim de semana! Beijocas!
=D

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Novidades...

Enfim, quinta-feira.
Tá loko, essa semana tá voando. Na realidade, o mes inteiro voou. Uma correria danada! @@
Bom, respondendo aos comentários de ontem...
Ahhh, em primeiro lugar, como já dissemos, ainda estamos pesquisando por textos bons com conteúdo sado masoquista, tá?
Gente, tbm nos frustramos mto com o final de TLW.
Tbm estamos aguardando o filme, ou algo q possa esclarecer.
Li por aí, na internet que a intenção de Chaiken era continuar a estória num spin-off chamado The Farm, que seria protagonizado por Alice Pieszecki, personagem de Leisha Haley. A série se passaria em uma prisão com Alice tendo sido acusada pelo ocorrido na série. Porém a produção não foi autorizada pelo canal Showtime. Agora a criadora da série está trabalhando no roteiro para que a estória das meninas gays de Los Angeles ganhe seu fim nas telas de cinema, para esclarecer os fatos.
E gente, quem quiser nos add no msn, fique a vontade. Colocamos ele aí justamente pra isso, tá? ^^
The Real L Word é legalzinho, mas não chega nem perto de TLW. De qualquer forma, é o q há, né?
Tem umas outras séries pela internet à fora. Mas nenhuma é tão boa, por enquanto. Agora, temos mais tempo para assistir uns filmes com esse tema. Vamos começar a disponibilizar uns links dos filmes que mais gostamos, que tal?
E sim, viver uma vida clandestina, uma vida dentro de outra vida, não é nada agradável. É um tanto injusto, não?
Nenhum hétero precisa esconder que é hétero. Pq nós, homossexuais, temos que viver presos, restringidos apenas a demonstrar nossos sentimentos em boates GLBTS ou dentro de casa? Espero que essa intolerância (ou melhor, ignorância) acabe algum dia.
Abaixo, alguns pareceres sobre esse assunto...

CLARA: Como já foi escrito um milhão de vezes aqui no blog, eu e a Flávia não podemos nos revelar, pois onde moramos é foda. Eu trabalho em outra cidade, mas minha profissão jamais aceitaria que eu fosse sapa. Contei para algumas pessoas que trabalham comigo que eu moro com uma menina e namoro ela. Pra essas três ou quatro pessoas eu sei que foi bom contar porque vai ficar entre nós apenas e também temos muitas coisas em comum. Mas se meu segredo vazar vai ficar realmente impossível eu conseguir emprego novamente. Solução: mudar de emprego? De profissão? Acredito que é uma boa saída, mas eu adoro o que faço e sempre acreditei que me aposentaria fazendo isso. Quando contei para essas pessoas lá no meu trabalho foi normal, ninguém falou nada, não me trataram com indiferença, pelo contrário, começaram a me tratar melhor. Graças a Deus, no meu emprego todos nos damos muito bem e quase nunca nossas conversas envolvem a vida amorosa.

FLÁVIA: Tá, concordando com a Clara, é realmente impossível sairmos completamente do armário nessa cidadezinha. No ramo em que eu trabalho, só existe uma empresa na cidade e região. E, agora com essa promoção que eu recebi, de jeito nenhum posso botar tudo a perder. Pelas conversas que eu ouvi, fica bem claro que toda a equipe que trabalha comigo, é homofóbica. A única pessoa que eu acredito que, numa possibilidade bem remota, talvez seja diferente, está prestes a sair desse emprego. Ele vai se casar e irá embora.
Aqui no bairro onde moramos, muitas pessoas suspeitam da gente, sabem? Dá pra notar quando a vizinhança olha pra nós e fala baixinho, qualquer coisa no rosto deles denuncia, entendem? Muitos dos nossos vizinhos nem nos cumprimentam. Alguns, apenas fingem ser amigáveis. Tenho certeza de que, assim como nós, muitas de vocês que estão lendo esse post, também são forçadas a esconder o que realmente sentem.

E, como prometido, aí vai o link de um filme, sobre duas lésbicas, que os gostamos muito:
- The Secret Diaries of Miss Anne Lister
Sinopse: Anne Lister viveu no século XIX em Halifax, West Yorkshire, Inglaterra. Era lésbica convicta e escreveu sobre isso em seus diários usando para tanto um código secreto. Essa produção da BBC de Londres conta parte da história de sua vida, retirada diretamente dos seus escritos.
Então leitoras, tenham uma ótima quinta e até amanhã!
Beijos
=D

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

DANDO A BUNDINHA

Fazia alguns dias que eu estava querendo fazer sexo anal com a Flávia. Imaginava no trabalho posições e lugares para transar dessa maneira. Já transamos várias e várias vezes fazendo anal, algumas vezes em mim, mas quase sempre nela. Já comi a bunda dela com os dedos e com o consolo, mas como a bunda dela é muito grande e dependendo da posição escolhida, meus dedos quase não alcançam o ânus, então para facilitar e agilizar, optamos pelo consolo, que nos proporciona um prazer incrível.
Nos momentos livres eu imaginava várias posições para fodê-la, eu queria transar muito e tinha que ser anal. A bunda dela me incita a milhares de fantasias, constantemente peço pra comê-la, mas a Flávia raramente concorda, pois diz que precisa de intervalos entre um anal e outro. Algumas vezes eu respeito ela dizer não, mas em geral começo alisando o ânus e quando ela percebe já está dando a bunda.
A minha mais recente fantasia era de transarmos no nosso banheiro, à noite, com a porta fechada (mesmo morando sozinhas), ela quase de quatro apoiada no vaso e eu atrás (lógico) metendo. Durante a transa eu iria mordê-la até deixar marcas, e passaria meus dedos na boca dela pra chupar.
Vai ser maravilhoso!
Aconteceu na sexta feira passada, dia 24, já estávamos na cama assistindo e comendo sorvete quando começamos a falar de sexo, chupadas e tal...
Sem preliminares, avisei à Flávia que iria buscar o consolo e a pomada de lidocaína, disse que estava a dias querendo foder a bunda dela e que iríamos transar assim.
Levantei, peguei os dois e voltei à cama. Tirei minha calcinha e “vesti” o consolo em mim, passando bastante pomada nele.
Flávia já estava sem calcinha, então passei pomada no dedo e coloquei no ânus dela.
De costas ela arrebitou a bunda me provocando. Deitei-me sobre ela e sem demora coloquei o consolo na sua bunda.
Ela reclamou que eu coloquei muito rápido, então comecei a foder devagar para amenizar minha afobação. Em menos de um minuto o ritmo já tinha acelerado, e percebi como meu clitóris batia com violência nas nádegas dela, o que era divino.
O encaixe da cinta esfolava meu clitóris também já que ele batia na bunda dela.
Fiz tudo que sempre gosto quando como a bunda dela: tirava quase tudo deixando só a pontinha e enfiava novamente, ou alternava entre foder extremamente rápido e lentamente, quase parando.
Nisso, o consolo saiu sem querer e senti um gelado na minha perna: tínhamos deixado a pomada sem tampa na cama, uma de nós deve ter encostado a perna e feito vazar um monte de pomada.
Coloquei novamente o consolo nela e não perdemos tempo, não começamos devagar foi de imediato rápido.
As sacanagens que ela me falava com a voz manhosa e com cara de vadia sofrida me deixavam em êxtase, mais do que louca de tesão. Eram do tipo: “ai, você gosta de me foder assim?” “gosta de comer minha bundinha?” “gosta que eu empine assim?”
É claro que ela sabe que eu amo e me derreto toda.
A expressão da Flávia de sofrimento me fez ter vontade de dar minha bunda também, e quando eu estava pensando nisso ela me diz: “aiiiii, eu vou gozar Clara”... E sussurrando sacanagens que ela nunca falava, gozou.
Tirei com todo cuidado o consolo de dentro dela, joguei-o debaixo da cama e fechei a pomada. Era a minha vez de gozar e eu já sabia como: me esfregando na bunda dela.
Flávia continuou de bruços. Estava cansada, então só voltei para cima dela e esfreguei minha bucetinha nas nádegas dela, molhando-as.
Gozei e deixei meu gozo brilhando na nádega direita da Flávia.






Obs.: Amanhã estaremos respondendo aos comentários!
Adoramos a participação de vocês.
Continuem assim! =DDDDDDD
Ahhh, e gente, sintam-se a vontade para nos adicionar no msn!
^^
Beijos

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Correção...

Bom gente, infelizmente, como vocês leitoras têm razão, tivemos que tirar a foto. Quem nos conhece, reconhece! =/
E, como já havíamos explicado em alguns dos nossos primeiros posts, moramos em uma cidade muito preconceituosa. Logo, será impossível sairmos do armário perante as pessoas que trabalham conosco. Pois aqui, definitivamente, nossos empregos dependem da nossa orientação sexual.
Hétero = trabalho digno e fixo!
Homossexual = desempregado pelo resto da vida.
É realmente impossível revelar quem somos, embora adoraríamos fazê-lo.
Simplesmente não é justo ter que esconder quem somos...
Olha, não estamos generalizando e nem aumentando os fatos. A realidade é bem essa. E, enquanto não tivermos condições de sair dessa cidade pequena (minúscula, principalmente em pensamentos), nos assumimos somente para nossas famílias e amigos. E, eventualmente, para algumas pessoas que vêem quando nos beijamos por aí! =P
Novamente pedimos desculpas por remover a foto, mas acreditamos que vocês compreendem!
Hoje, colocaremos uma foto beeem antiga meeeeesmo, quando estávamos juntas há 2 meses.



Ambas mudamos muito, principalmente eu, que mudei radicalmente (meus cabelos =] hehehe).
Eu, Flávia, sou a mais morena na foto! A Clara, logicamente, é a branquelinha! ^^
Abaixo, uma foto de duas das nossas filhas: Shane e Mallu. Duas cadelinhas Pastor Alemão. Lindasssssssssssss =P~~
Ahhhh, elas são realmente uns amores. Uma pena que são muito brutas. Quando elas brincam conosco, eu sempre saio ferida, ainnn! Ahuahuhauuha
Mas eu as amo! S2 ^^



E, para não deixar vocês na mão, segue abaixo mais um texto da nossa vida juntas.
Ahhhh, antes que eu esqueça, ainda estamos procurando os textos que nos pediram. Assim que encontrarmos alguma coisa boa, divulgaremos, ok?
Que bom que vocês gostaram do novo template. Ficamos realmente muito felizes com a participação de vocês por aqui! =D
A propósito, se existe alguma coisa que vocês querem a nosso respeito, questionem. Se for possível (se não comprometer a nossa identidade) responderemos com prazer! ];D
Só comentando agora, ontem o Programa do Jô começou muito tarde, credo! Hehehehe
Só pra constar, ainda estamos frustradas com o final de The L Word – ontem assistimos à última temporada (6ª). Ao que tudo indica, é o fim. E agora?
Pra não estragar a surpresa de quem não assistiu, quem viu, por favor, nos explique, quem fez aquilo? @@
Tá, deixa pra lá... ¬¬’
Finalmente, a história...:



NA CASA DO PAI

Estávamos passando alguns dias na casa do meu pai, era inverno e chovia. Como na sala da casa que ele morava tinha uma super TV a cabo, eu e a Flávia dormíamos em um colchão largado na sala.
Lá pelas tantas da madrugada, depois de alguns filmes e clipes o clima começou a esquentar... Frio rigoroso, colchão pequeno, nossos corpos extremamente pertos e encostados...
O passa-passa de mãos começou por debaixo das cobertas, as pontas dos dedos geladas causavam choques na pele quente, Flávia estava de costas para mim, pedindo que eu a bolinasse por trás, do jeito que ela gosta.
A abracei em forma de conchinha e comecei a lamber sua orelha e nuca, desci minha mão até as pernas dela e acariciei sua bunda.
Apertei, cravei minhas unhas e mordi a bunda da Flávia. Enquanto mordia passava os dedos no clitóris, para deixá-la bem excitadinha. Ainda debaixo das cobertas tiramos nossas roupas, quer dizer, em partes, caso meus pais saíssem do quarto eles poderiam nos ver, pois o quarto deles era logo perto da sala. Assim, se eles saíssem de repente nós estaríamos vestidas. Bom, debaixo das cobertas tiramos apenas os shortinhos de dormir e as calcinhas. Abaixamos o volume da TV, mas não muito para eles não perceberem nada de estranho.
Nos beijamos e começamos a esfregar nossas bucetinhas, sempre com o ouvido no quarto ao lado. Enfiei-me debaixo dos cobertores e chupei a bucetinha dela enquanto me massageava. Quando saí dos cobertores fui até os lábios da Flávia e passei o gosto da bucetinha dela para sua boca e ficamos um bom tempo nos beijando até eu ouvir mais do que devia.
Ainda com os ouvidos bem atentos no quarto dos meus pais, tive a impressão de escutar a cama deles se mexendo. Parei de beijá-la para ouvir melhor e tive certeza: meus pais estavam transando. Aughhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!
Para mim, ouvi-los transando sempre foi uma tortura, antes dessa noite com a Flávia e até mesmo na minha adolescência, eu cheguei a ouvir algumas coisas e deduzia que eles estavam transando. Odiava saber que eles estavam fazendo sexo, não sei dar motivos muito lógicos para isso e também sei que sentir essa repulsa não é justo com eles, mas apenas sinto esse nervosismo e me sinto bem desconfortável.
Ouvi a cama deles se mexendo e também alguns suspiros. Tentei desviar meus pensamentos e esquecer. Concentrei-me em algo muito melhor e útil: comer uma bucetinha.
Volteia a chupar Flávia, caso ela tivesse perdido o tesão. Antes de parar de chupar, coloquei três dedos nela e comecei a masturbá-la. Como de costume aproveitei e me esfreguei nas coxas dela gozando depois de alguns minutos. Ela gozou depois de mim, o que exigiu muito esforço da minha parte, já que eu tinha gozado e estava extremamente cansada.
Quando tirei meus dedos da buça dela vi (mesmo no escuro) que eles estavam muito encharcados, e magnificamente cheirosos. Lambi meu dedo anelar e senti o gostinho salgado da minha namorada.
Bem cansada, me joguei ao lado da Flávia e comecei a sentir frio, já que na hora do sexo ficou um calor insuportável.
Com o silêncio da casa, percebi que não tinha mais nenhum barulho vindo do quarto dos meus pais e adormeci com uma dúvida: eles teriam nos ouvido? Será que chegaram a ver alguma coisa? Teriam eles escutado gemidos e sussurros como eu ouvi?

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Segundinha...

Olá pessoal.


FOTO RETIRADA


Um beijão e até amanhã, com história nova...
=*****

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Voltando...

Bom pessoal, eu sei realmente que foi uma tremenda falta de consideração e respeito para com vocês. Realmente, nenhum motivo que eu dê, vai diminuir essa falta de comparecimento aqui...
De qualquer forma, vou tentar diminuir o ódio que vocês devem estar sentindo pela gente...
Aí vai... Semana passada eu, Flávia, recebi uma promoção para chefe do setor onde eu trabalho. Novo cargo, muito mais responsabilidades. A carga horária da Cara também aumentou, impossibilitando que ambas pudessem postar.
Hoje, sexta-feira, está um pouco mais aliviado, portanto, vim correndo o quanto antes para dar satisfações a vocês. E, peço desculpas, sinceras....
Devido a falta de tempo, quem postará hoje sou eu...



SEXO NO TRABALHO...

Ano passado, Clara trabalhava em uma lanchonete. Essa lanchonete, quase todos os dias, ficava completamente vazia. Eu, como namorada prestatova que sou (me achei hauhauhau), ia sempre lá visitá-la (e matar a saudade, né? ^^).
Certo dia, cheguei lá com um tesão daqueles. Como eu já conhecia o local e sabia que não entraria nenhum cliente no período da tarde, sugeri à Clara que transássemos.
Ela, nada safada (tanto quanto eu hehehe), aceitou.
Fomos para a parte de trás, onde ficavam guardados os engrados de bebidas.
Ela me sentou em um engradado, após abaixar minhas calças.
Abri bem as minhas pernas, apoiando-as em cima dos engradados, e pedi, de um jeito beeeem convidativo: "me come".
Ela, sem hesitar, nem tirou a roupa e começou a me comer. Estava uma situação muito gostosa, se alguém passasse por lá, viria aquela cena da janela, o que deixou aquele momento muito mais excitante.
A Clara, como não se contenta com pouco (e eu menos), começou a passar seu dedo em minha bunda, alisando meu ânus.
Aquilo estava me deixando ainda mais louca. Eu queria mais, não queria apenas um sexo casual.
Ela começou a meter em minha bundinha e em minha vagina ao mesmo tempo. Eu estava tão molhada que dava pra sentir escorrendo.
Eu a puxava para perto de mim, queria mais forte, mais fundo, ainda mais gostoso.
Eu estava saindo de mim.
Mas, não era justo que só eu sentisse um prazer daqueles.
Tirei a mão dela, parando aquele sexo delicioso, e sugeri que deitássemos no chão. Ela aceitou, e, enquanto tirava sua calça jeans justíssima, eu arrumava uma toalha de mesa pra colocar no chão.
Me deitei e, com as pernas bem abertas (óbvio!!!), convidei-a para deitar em cima de mim.
Ela veio quase que de imediato. Só deu tempo de terminar de tirar sua calcinha (e que calcinha, com cheiro de fêmea no cio, sabem? - adoro cheirar as calcinhas delas.... hmmm).
Em cima de mim, começou a se esfregar em minha coxa, enquanto metia em mim com força.
Estávamos muito excitadas, eu podia sentir a bucetinha dela molhando minha perna.
Chegamos ao ápice do tesão, então, gozamos juntas. Foi intenso, forte e cansativo também.
Levantamos, ainda exaustas, colocamos nossas roupas e eu me despedi dela. Afinal, ela ainda tinha que trabalhar! huahuahauhuaha


Bom gente, prometo pra vocês que, a partir da semana que vem, estaremos postando com mais regularidade novamente.
Adoramos todas vocês. Eu, principalmente, adoro saber que vocês nos visitam e ficam ansiosas por novas histórias do nosso relacionamento.
Quero pedir que participem mais, comentem pessoal.
Adoro quando vocês se fazem presentes!
Para compensar essa nossa falta de posts, segunda-feira estarei trazendo novas fotos nossas. Está mais que na hora de atualizá-las, né? hehehe
Do mais, gostaria apenas de desejar um ótimo fim de semana a todas vocês!
Em homenagem a essa sexta-feira mais dencansada, abaixo, duas tirinhas da Katita.





Um super beijo e até segunda!
=************

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

CEMITÉRIO

Quase final de ano, eu quase me formando finalmente no terceirão e mais uma vez estava matando aula. Até cheguei ao portão da escola, mas vi a Flávia, ela falou que tinha comprado um vinho, decidi não entrar e curtir mais um pouco com ela. Também não tinha nada importante na escola e faltavam alguns dias pra terminar o ano letivo.
Estávamos saindo juntas quando duas gurias que eu ficava frequentemente, que estudavam comigo, pediram se podiam nos acompanhar. Elas só podem não ter se tocado porque era óbvio que não. Sem falar que elas convidaram um punk amigo meu (que eu também já havia ficado) e delas para ir junto.
Perto do colégio tem um cemitério com a maioria das sepulturas velhas e algumas poucas mais recentes.
Como lá e muito calmo, decidi ir com a galera lá, não íamos aprontar nada, nem praticar vandalismo, escolhi lá apenas porque ninguém iria incomodar – a não ser a polícia se soubesse.
Chegamos ao cemitério e sentamos na casinha do coveiro, onde ele guarda pás, enxadas e coisas de coveiro.
O punk saiu pra comprar uma coca-cola pra acompanhar o vinho e alguma coisa para ele comer. Ficamos as quatro lá no maior clima de tensão, sem saber o que falar e o que fazer. Tomamos um pouco do vinho e comemos uns chocolates que eu tinha comprado pra Flávia. O punk voltou e fizemos alguns cubas, comemos mais chocolates, conversamos, fizemos mais cubas, passeamos pelo cemitério, fizemos (e bebemos) mais cubas...
Até que pelas tantas já estávamos todos bem alteradinhos. O punk falou que ia dar uma volta, iria encontrar uma galera dele e tal, as duas que estavam com a gente foram dar uma volta pra comprar cigarro e eu e a Flávia ficamos sozinhas na escuridão do cemitério.
A Flávia alterada antigamente ficava tímida, assim naquela noite ela estava toda reservada, quietinha e vermelhinha, uma graça. Nos beijamos várias vezes, nos acariciamos e passei com a minha boca vinho para a boca dela algumas vezes.
Tirei meu casaco e senti o calor da pele dela no meu braço, uma sensação de carinho e maciez invadiu meu corpo, foi a primeira vez que senti alguma coisa que não fosse tesão por uma garota.
Toquei nela com carinho, mas ela nem deve ter percebido, recomeçamos a nos beijar e eu tirei a roupa dela.
Tirei seu casaco, calça, blusa, top, calcinha e só deixei as meias, porque estava frio e eu sei que é muito difícil esquentar os pés. Fizemos uma espécie de cama com as roupas dela em cima de um túmulo bem das antigas e deitamos. Eu fiquei só no casaco mesmo, não tirei mais nada. Estava fodendo ela com a mão quando olhei para o portão do cemitério e vi as duas voltando e também percebi que elas haviam nos visto e visto o que estávamos fazendo. Diminuí com a Flávia e tirei meus dedos devagar. Ela me olhou confusa, entreguei sua calcinha mostrando que não iria rolar mais nada.
Incrível, mas meio minuto depois que paramos as duas vieram até nós rindo e fingiram na maior que não tinham visto nada. Como estava bem tarde e era hora de pegar meu ônibus, pedi que a Flávia me acompanhasse até o terminal. As duas também vieram já que também iriam pegar o ônibus. Perto do terminal a Flávia completamente sem jeito disse que me amava. Quase não ouvi já que ela falou muito baixo e muito bêbada. Naquele tempo, eu não queria nada com nada. Fazia exatamente um mês desde que começamos a ficar. O diálogo foi o seguinte:

- Clara, eu tenho uma coisa pra te falar.
- Aiiiiiiii (suspirando – eu já sabia o que ela ia falar).
- Eu te amo!
- Aiiiiiiii (suspirando mais ainda). Pára, você ta bêbada, nem sabe o que tá falando (eu só queria mudar de assunto).
- Eu to bêbada mais eu sei o que eu to falando (enrolando a língua).

Eu não estava muito bêbada, mas estava de saco cheio. Eu já sabia que ela estava apaixonada por mim mas eu só queria comê-la e terminar.
Despedi-me dela de qualquer jeito, eu estava com muita raiva e entrei no terminal.

- A parte que a Clara postaria agora, foi interrompida por mim, num surto de ciúmes! Portanto, fiquem abaixo somente com a minha versão, das coisas que ela fez, mas relatadas por mim:
Ela entrou no ônibus e foi até um pedaço do caminho com aquelas vagabundas (não mais vagabundas que a própria Clara). Pararam na casa da gorda e orelhuda que ainda gostava dela, pra deixar ela ali, pois também estava bêbada. O ônibus foi embora e a Clara foi a pé com a outra vagabunda ridícula. Sem mais detalhes, as duas foram transar numa árvore de um local escuro, perto de outro cemitério, que fica no nosso bairro. Tá, vagabundas á parte...
Já eu, Flávia, havia treinado o dia inteiro pra me declarar pra ela e encontrei na bebida a coragem de dizer. Ao que ela virou as costas e entrou no terminal rodoviário, deixando escancarado que não queria nada sério comigo e que não retribuía o meu sentimento, peguei minha bicicleta e fui em zigue-zague e lágrimas para casa.
Chegando em casa, chorando tanto à ponto de fazer um escândalo, acordei minha mãe e meu irmão.
Deitei na cama, ainda gritando. Hoje eu sei que a metade do que eu gritava minha mãe não conseguia entender. Mas eu me lembro da dor que senti pelo fato de meu sentimento pela Clara não era recíproco.
Minha mãe tentava me aclamar, e eu só sabia gritar dizendo que “eu não queria gostar dela, não tenho culpa de gostar dela”, e coisas do tipo.
Em seguida, acabei dormindo e só acordei na manhã seguinte, não lembrando exatamente do que eu havia feito. Para minha felicidade (irônica), meu irmão me lembrou das coisas que eu havia dito. Sim, esse foi um papelão! E tudo pela “farabuta e esquifosa” da Clara! Credoooo, esse foi apenas o primeiro... E o resto, é outra história.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Ajudando...

Oi gente, tem uma menina que nos pediu ajuda...
Olha garota, nesse fim de semana estaremos procurando o que você nos pediu, tá?
Com mais tempo, pra gente poder encontrar alguma coisa bem legal! ^^
Amanhã, finalmente, a Clara postará a história em que a gente fez sexo no cemitério! =]
O template, pra quem não gostou, estaremos tbm procurando um melhor, tá meninas?
Do mais, abaixo duas tirinhas da Katita que, como nos pediram quem escreveu, é só conferir no post: KATITA - TIRAS SEM PRECONCEITO





Abraços e até amanhã! =***

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

PROVOCAÇÕES

Essa foi uma das poucas vezes em que gostei de brincar com o consolo em mim. Era um sábado à noite, eu e a Flávia em casa sem fazer nada, sem dinheiro, desanimadas... Olhei para o corpo da Flávia que estava bem perto de mim, ela de bruços, só de top e shorts. Suas costas estavam incrivelmente lindas, sempre bronzeadas e macias. De bruços a bunda dela ficava bem empinadinha, não tinha como eu não ficar excitada e louca para transar. Rapidamente minha mente desvairada começou a pensar em sexo.
Deitei em cima das costas dela e beijei sua nuca, sentindo seus pêlos se arrepiarem na minha pele. Continuei fazendo ela se arrepiar inteira, beijei sua nuca e sua orelha, colocando minha língua dentro. Ela já estava toda derretida, com os pêlos das pernas e dos braços em pé. Deslizei minhas mãos no corpo dela, apertei sua cintura e sua bunda. Saí de cima e ela se virou. Nos olhamos e nada precisava ser dito, tanto eu quanto ela sabíamos que iríamos transar.
Levantei da cama e abri minha gaveta de calcinhas, peguei nosso consolo e apaguei as luzes. Tirei as roupas dela com delicadeza, queria tentar ser um pouco romântica, queria tentar alguma coisa fora do meu habitual. Tirei a calcinha dela bem lentamente, para não quebrar o clima nem parecer rude. Arranquei as minhas roupas também. Estávamos mais uma vez peladas.
Nos beijamos um tempo, estávamos bem excitadinhas, mas eu não queria simplesmente colocar a cinta e comer ela, ou que ela me comesse, queria fazer diferente.
Sentei na cama e encostei-me à parede gelada. Flávia se deitou perto de mim. Ela olhou baixo. Abri minhas pernas com desejo, deixando para ela ver minha bucetinha molhada. Ela aproximou a boca das minhas pernas e beijou minha vagina.
Peguei a mão dela e passei na minha bucetinha, seu dedo ficou molhado e pedi que ela o chupasse para sentir meu gosto.
Depois de chupá-lo, ela passou o dedo em mim novamente, então peguei o consolo e coloquei na mão dela. Abri até quanto pude minhas pernas e passei segurando na mão dela o consolo na minha bucetinha. O contato da borracha e das unhas da Flávia me deixou louca, queria inexplicavelmente que ela metesse logo em mim, mas tive calma e ela percebeu que deveria passar o consolo devagar, me provocando.
Ela deslizava nosso consolo em mim lentamente, mas com muita firmeza, depois abriu meus lábios e colocou um pouquinho dentro. Foi incrível, senti uma dor gostosa e uma grande vontade de ser penetrada. Peguei a mão dela e comecei a fazer movimentos de vai-e-vem, só com a pontinha dentro. Deixei-a me torturando e agarrei meus seios, apertei-os com vontade, estava me sentindo muito vaca, meu tesão estava incontrolável e aquela sensação de provocação era ótima.
Do jeito que eu estava não pude evitar, comecei a gemer e pedi sussurrando que ela metesse “mais um pouquinho”. Ela então colocou mais em mim, quase a metade e continuou no vai-e-vem. Flávia não parava de dizer que estava gostoso para ela também, que me ver ali igual a uma vadia me deixava muito gostosa e etc. (coisas de casal).
Por mais gostoso que estava para mim, senti vontade de meter na Flávia. Meu lado ativa falou mais alto e tudo que eu queria era abrir e furar toda a bucetinha dela. Tirei o consolo de sua mão, encaixei a cinta em mim e a virei. Ela estava suada, estava muito quente, tinha um cheiro de pele morena que eu adoro, beijei demoradamente sua boca e meti na sua bucetinha. Logo, já estávamos transando com tudo, meus joelhos estavam ralando na cama, mas nada me faria parar de foder a bucetinha da minha Flávia.
Meu clitóris esfregando na bucetinha dela me fez ter um orgasmo delicioso, mas que também me cansou muito, então eu diminuí um pouco o ritmo das enfiadas. A Flávia meu puxou pela bunda para entrar mais e gemeu no meu ouvido, mostrando assim que estava gozando. Usei o resto das minhas forças para enfiar com mais vontade e com certeza ela gozou muito gostoso também.
Deitei ao lado dela e percebi o quanto eu estava suada também. Isso é bem difícil.
Levantei-me para me vestir, mas antes parei entre as pernas dela e dei um beijinho no seu clitóris.