quarta-feira, 28 de julho de 2010

AQUELES DIAS...

Essa famosa expressão bem conhecida por nós do mundo feminino, simplesmente é sinônimo de menstruação.
Em geral, as mulheres detestam ficar menstruadas, é o incomodo, a sujeira, o desconforto, o constrangimento...
Pra mim, especificamente não. Adoro ficar menstruada. Sim, adoro mesmo.
Quando minha menstruação vem, sinto que tenho um segredo comigo mesma e que ninguém pode tê-lo ou desvendá-lo, me sinto sublime, uma verdadeira mulher, uma mulher que guarda algo tão íntimo somente para si e não deixa ninguém desvendá-la, ninguém conhece sua alma, ninguém pode penetrar em seus pensamentos e nem em seus segredos.
Me sinto poderosa, sinto que meu corpo mostra como eu nasci: uma mulher, uma menina que nasceu e se criou entre mulheres, que aprendeu a amar o mais maravilhosos dos sexos, uma mulher que vislumbra e contempla com grande adoração a beleza que trás o corpo feminino, uma menina que se encanta e grita por dentro de amor com as perfeições de uma mulher.
Não apenas isso, a minha menstruação vem carregada de libido, eu mesma não compreendo o porquê, apenas sei que quando ela chega, terei maravilhosas transas e orgasmos inesquecíveis.
Me descobri assim quando tinha 11 anos, foi quando virei mocinha.
Alem de sentir-me indecifrável e poderosa, eu queria me conhecer, desvendar meu corpo, descobrir onde e quanto prazer eu poderia ter. Comecei assim, a acariciar minha vagina, coloquei o dedo nela uma ou duas vezes até ele encostar-se ao meu hímem, mas não curti, não gostei de enfiar o dedo, descobri que bom mesmo era ficar nas carícias pelo clitóris, para depois fazer uma massagem completa e gozar.
Até hoje não gosto de colocar o dedo, não sinto prazer dessa forma, e, graças a Deus tenho prazer do jeito que gosto.
E foi isso: eu ficava menstruada e a vontade de gozar se tornava freqüente, me masturbava muito mais que de costume, e essa vontade que caminha junto as minhas regras dura até hoje.
É durante aqueles dias que tenho as fantasias mais inusitadas.
Nunca conheci outra mulher que dividisse esses mesmos sentimentos, apenas uma que compreendeu bem e encarou numa boa: a Flávia.
Saí do banho já excitada, cuidei ao passar a toalha branca entre as pernas, foram muitas as vezes que esqueci o fato e sujei a toalha de sangue.
Peguei uma calcinha e um absorvente pequeno na gaveta. Minha menstruação estava no fim, pelas minhas contas aquele seria o último dia. No quarto, enquanto eu me secava, Flávia não parava de me encarar com cara de safada, estava nitidamente estampado na cara dela que ela queria transar de novo. Nos tínhamos transado antes de eu tomar banho, e me sujei com meu sangue. Retribuí aos olhares e sorrisos sem dizer uma palavra, eu também queria mais, minha bucetinha queria mais, minha libido estava me deixando louca.

2 comentários:

Thaís disse...

Oi meninas adoro o blog de vocês!!! Comecei a ler tem pouco tempo, por curiosidade mesmo. Pq estou ficando com uma menina já tem uns 2 meses e ainda não rolou nada, e queria saber como era uma transa de duas mulheres (detalhe eu nunca tinha ficado com nenhuma menina antes).

A respeito dessa postagem "AQUELES DIAS" eu tbm fico muito mais excitada nesses dias. E entendo perfeitamente!

Hanna Rayssa Pascoal Cavalcante disse...

Meninas o blog de vcs é ótimo falam de todo tipo de assunto isso é ótimo! Continuem!