sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Indignação

Em entrevista à Revista QUEM ACONTECE, Claudia Jimenez (a Roberta do seriado de “A Vida Alheia”, na TV Globo), conta que a rejeição dos homens a levou a se relacionar com mulheres. Essa tosca ficou 10 anos casada com a personal trainer Stella Torreão. Depois de gravar a novela Sete Pecados a trocou pelo ator Rodrigo Phavanello. O pior não foi a traição e a troca, mas sim, ter dito que o que a tornou lésbica foi a falta de confiança em si mesma para atrair homens. Na entrevista ela também diz ter sido bolinada quando tinha sete anos. Seguem trechos da entrevista, que nos enojam completamente:

QUEM: Você se masculinizava antes?
CJ: Não, nunca fui uma mulher fálica. Fui transar com mulher porque achava que não tinha cacife para seduzir homens. Na escola ninguém queria dançar comigo na festa junina. Tomei pavor de carnaval porque ia de fantasia e os meninos debochavam de mim porque eu era muito gorda. Coloquei na cabeça: homem não me quer. E aí fui encontrar outra forma de amor com as mulheres. Achei que, então, seria mais fácil me relacionar com uma mulher. Mas não foi uma escolha, foi uma forma de tapar o buraco do afeto, já que eu tinha sido tão rejeitada pelos homens. À medida que fui amadurecendo, fui me tornando uma mulher mais vaidosa e feminina. Até que, um dia, falei: ‘Stella, estou com desejo de ver qual é, com os homens, acho que agora já posso’.


QUEM: Sua vida pessoal começou a chamar mais atenção depois que, ao fim de um relacionamento de dez anos com a personal trainer Stella Torreão, você começou a sair com rapazes. Como se deu essa mudança?
CJ: Hoje ela é minha irmã. O amor dela foi tão grande que ela me fez ter coragem de dizer: ‘Não, gorducha, você tem cacife para atrair os homens, vocês está bonita’. O amor da Stella me fez ter coragem de me reconciliar com os homens, porque, até então, eu achava que não tinha cacife para seduzir homem nenhum, porque eu era fora dos padrões, era gorda, tinha autoestima baixa.


FLÁVIA: Olha gente, isso só torna ainda mais banalizada a visão que o pessoal mais antiquado tem de lésbicas. Por exemplo, quando as pessoas descobrem que somos lésbicas, imediatamente elas dizem: “Nossa, mas duas meninas tão bonitas!?!”. Entendem? Esse depoimento dela só reforça a ideia que essa gentinha tem de que as lésbicas só podem ser feias ou gordas, ou ainda, masculinas... O que não é verdade. Nenhuma mulher bonita, magra ou feminina, pode ser lésbica, de acordo com essa gente de pensamento pequeno!

Ela diz que sua primeira transa com um homem foi com esse tal de Rodrigo:

QUEM: E como foi essa primeira vez aos 49 anos?
CJ: Foi maravilhoso! Rodrigo é lindo, e sedutor pra caramba, e fiquei de quatro por ele. A primeira vez foi na minha casa. Ele foi me ensinando tudo. Eu o chamava de professor. Foi impressionante, porque eu tinha 49 anos, mas sexualmente, em relação aos homens, estava me iniciando. Peguei um grande professor porque ele teve paciência comigo.


CLARA: Ela sujou totalmente a imagem de casais gays sérios dizendo que, por ser gorda e feia, não era boa suficiente para atrair um macho. Suas palavras colocaram que para uma lésbica qualquer lixo serve. Depois que ficou vaidosa e emagreceu bastante ela estava apta e digna para os homens. Se ela queria se justificar pela traição não precisava ter se rebaixado para os homens e muito menos ter sujado a imagem de casais gays sérios e respeitosos. Enquanto era casada com Stella, manteve-se sorrateiramente escondida. E depois que começou a “soltar a franga” com os homens, sua vida se tornou um livro aberto, espalhando aos quatro cantos cada rapaz que ‘pegava’. Essa bocó só quer macho e não sabe como justificar isso. A vontade de ter um p..... tomou conta do cérebro dela.

Atualmente, ela está namorando o Rodrigo Bonadio, de 20 anos.
A entrevista pode ser conferida na íntegra, na revista QUEM ACONTECE, de 26 de março de 2010/nº 498/R$ 6,90, da Editora Globo. Vale à pena ler e tirar suas próprias conclusões.

Confiram abaixo algumas fotos...


Stella Torreão e CJ


Rodrigo Phavanello e CJ


Rodrigo Bonadio e CJ


Fica dado o recado, né?
Bjão pra vcs que nos deram forças...
Estamos voltando a todo vapor!
T+

5 comentários:

LGBT Culture Point disse...

Pois é, já tinha conhecimento desse artigo e também na altura pensei que teria sido uma ótima oportunidade para ela estar calada, pois infelizmente só falou merda nessa entrevista.

Parabéns pelo vosso blogue.

Títi disse...

vai saber se não foi uma filhadaputagem da edição néan?! pq tipo, mta sacanagem dizer isso depois de 10 anos com uma mulher!

Rebeka disse...

Eu até que tinha uma imagem boa dela, mas agora rs.

Eu sinceramente não entendo esse drama todo que fazem sobre lesbicas e gays.

Eu to em uma fase meio foda-se a sociedade e quero ser feliz, então ler materias assim só reforçam meu pensamento.

Meninas, primeira vez que comento aqui, queria deixar meu carinho e abraço para essa recente perda que vocês tiveram.

Um beijo e tudo vai melhorar.

Dhy disse...

Olá meninas, estou curtindo o blog de vocês. Parabéns !

Cada um da o rumo que quiser a sua propria vida, mas como foi dito no coments acima a CJ perdeu uma ótima oportunidade de ficar calada. Sem noção total.
Abraços a todas.

Anônimo disse...

A pessoa é feliz quando faz a coisa certa. Ela estava errada e se corrigiu pela metade. Já é um bom começo.
Fiquem com Deus.